quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Instituto Lula promove Colóquio sobre integração Chile-Brasil

Reproduzido do Instituto Lula: O Colóquio Chile-Brasil reuniu nesta terça-feira (26), em São Paulo, estudiosos, líderes políticos e representantes sindicais e sociais para discutir a integração da América do Sul. A contextualização da integração regional e o combate à desigualdade, por meio da inclusão social, foram retratados na primeira etapa do encontro, que é realizado pela Iniciativa América Latina do Instituto Lula, em parceria com a Embaixada chilena, Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso-Chile) e a Universidade Federal de Integração Latino-Americana (Unila).
Luiz Dulci, diretor do Instituto e ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, iniciou a atividade e destacou a amplitude do encontro, que reúne dirigentes, pesquisadores, representantes de organizações populares e sociais, além de sindicalistas urbanos e rurais, para compartilhar experiências exitosas e debater os desafios futuros.
Edgardo Riveros, subsecretário de Relações Exteriores do Chile, frisou que América do Sul e América Latina devem e podem ter uma maior incidência na configuração da nova ordem mundial. “Depende de apresentarmos um só olhar sobre assuntos que interpelam a todos como segurança, mudanças climáticas e agenda de desenvolvimento”, detalha. A condição, neste caso, é encontrar “convergência na diversidade”.

terça-feira, 26 de agosto de 2014

Ibope: Dilma 34%, Marina 29% e Aécio 19%

Pesquisa Ibope divulgada nesta terça-feira (26) aponta Dilma Rousseff (PT) com 34% das intenções de voto para presidente da República e Marina Silva (PSB), com 29%. O candidato do PSDB, Aécio Neves, tem 19%, seguido de Pastor Everaldo (PSC) e Luciana Genro (PSOL), com 1% cada um. Os outros seis candidatos somados acumulam 1%.
O levantamento indica que, em um eventual segundo turno entre Dilma Rousseff e Marina Silva, a ex-senadora teria 45% e a atual presidente, que tenta a reeleição, 36%.
Encomendada pela TV Globo e pelo jornal "O Estado de S. Paulo", a pesquisa é a primeira do Ibope com Marina Silva como candidata do PSB.
No levantamento anterior do instituto, divulgado no último dia 7, o candidato do partido ainda era Eduardo Campos, que morreu em acidente aéreo no último 13. Naquela pesquisa, Dilma tinha 38%, Aécio, 23%, e Campos, 9%. Entre uma pesquisa e outra, a taxa de indecisos passou de 11% para 8%, e a de quem pretende votar em branco ou nulo, de 13% para 7%.
Confira abaixo os números na modalidade estimulada da pesquisa (em que o pesquisador apresenta ao entrevistado um cartão com os nomes de todos os candidatos):

sábado, 23 de agosto de 2014

Brasil da Mudança lança capítulo sobre combate à corrupção

Reproduzido Instituto Lula: Já está no ar mais um capítulo do site O Brasil da Mudança. O tema é Combate à Corrupção , que nos governos Lula e Dilma tornou-se, pela primeira vez na história, uma ação permanente do Estado. Ampliou-se a transparência, reforçou-se as instituições de fiscalização e punição dos corruptos e foi respeitada a autonomia do Ministério Público e do Judiciário.
O orçamento da Polícia Federal cresceu de R$ 1,8 bilhão em 2002 para R$ 4,7 bilhões em 2013. Mais de três mil agentes foram incorporadas. Novas e modernas viaturas, helicópteros, embarcações e armas aumentaram a eficiência do órgão, que realizou mais de 2.200 operações especiais em menos de 12 anos.
Lula e Dilma também aposentaram de vez a triste figura do “Engavetador-Geral da República”, usado pela imprensa devido ao arquivamento de muitas denúncias no período entre 1994-2002. Desde 2003, o Procurador-Geral da República é indicado sempre respeitando a votação dos  próprios colegas do Ministério Público.
Outras medidas fundamentais foram tomadas, como a criação da Controladoria-Geral da União (CGU), que fiscaliza órgãos públicos federais e milhares de municípios, e do Portal da Transparência, que disponibiliza informações detalhadas sobre todos os gastos do governo federal, além das sanções da Lei Anticorrupção, que pune as empresas corruptoras, e da Lei de Acesso à Informação, ferramenta de controle de gestão acessível a qualquer brasileiro.
Saiba mais em hhttp://brasildamudanca.com.br/combate-corrupcao/

Os benefícios do banho de sol

Um remédio natural, saudável e recomendado por muitos especialistas. Estamos falando do banho de sol – que, com a devida proteção e em quantidades moderadas, traz inúmeros benefícios à nossa saúde.
A exposição solar aumenta a produção da vitamina D no nosso organismo, que é importante na prevenção de doenças crônicas como a osteoporose, raquitismo, diabetes e problemas cardiovasculares. A “dose diária recomendada” é de 15 minutos e não precisa estar de biquíni na beira da praia: dá pra aproveitar o horário do almoço para tomar um pouco de sol nos braços e nas pernas.
Recentemente, um estudo feito na Universidade de Copenhague elencou mais um benefício da exposição solar. Os pesquisadores constataram que os banhos de sol podem diminuir os riscos de um ataque cardíaco – para isso, analisaram registros de parte da população da Dinamarca que apresentava câncer de pele. Apesar do diagnóstico de câncer, estes pacientes são 4% menos propensos a ter um ataque cardíaco e também tem menos chances de morte precoce.

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Dilma no JN: "Queremos continuar a ser um país de classe média..."

A presidenta Dilma Rousseff concedeu entrevista ao Jornal Nacional nessa segunda-feira (18), ocasião em que falou sobre combate à corrupção, saúde, inclusão social e economia, entre outros assuntos. Quando indagada sobre inflação, em meio a insinuações de possíveis descontroles nos índices, Dilma simplesmente respondeu: “Bonner, não sei de onde são seus dados. A inflação vem caindo desde abril, a inflação caiu a 0%”, explicou pacientemente ao jornalista.
Além disso, mostrou por que acredita em uma melhora efetiva da economia do país nesse segundo semestre, baseando-se em análises econômicas: “tem uma coisa em economia chamada índices antecedentes" - por exemplo, o consumo da energia elétrica, a quantidade de papelão utilizada, etc -  que, no caso do Brasil de 2014, indicam que a economia crescerá no segundo semestre.
Dilma ainda lembrou que o Brasil foi o único país a passar pela crise com geração de emprego e renda. "Pela primeira vez, enfrentamos a crise não desempregando, não arrochando salários, não aumentando tributos - pelo contrário, reduzimos, por exemplo, os impostos da cesta básica".  Ela reiterou ainda que milhões de cidadãos foram retirados da pobreza e hoje o Brasil tem uma nova classe média: “queremos continuar a ser um país de classe média, com mais oportunidades para todos”.
E como esse é um governo que não se foca apenas em economia, pode também destacar a política pública adotada pelo governo para enfrentar a falta de médicos nos hospitais. Foram 14 mil contratados com o Mais Médicos, que hoje beneficia 50 milhões de pessoas. A presidenta recordou que lançar o programa foi um desafio e que o governo enfrentou grande resistência. Dilma ainda destacou que hoje o objetivo é garantir também o tratamento em especialidades, como cardiologia, por exemplo, além de exames laboratoriais envolvidos.
Questionada sobre as filas nos hospitais públicos em todo o país, a presidenta defendeu a importância de uma reforma federativa, para mais transparência e definição de papéis do governo federal, de estados e municípios em relação a temas centrais como a saúde, de maneira bem definida e conhecida pela população.
Outro tema abordado foi o combate à corrupção. “Nós fomos o governo que mais estruturou os mecanismos de combate à corrupção”, disse Dilma,  elencando medidas como maior autonomia da Polícia Federal, a criação da Controladoria Geral da União (CGU), a Lei de Acesso à Informação e o Portal da Transparência. Dilma também destacou a relação respeitosa do governo federal com o Ministério Público, que hoje tem um Procurador-Geral e não um Engavetador-Geral da República. Nesse ponto Dilma ainda explicou o porque dessa mudança de postura: “Escolhemos procuradores com absoluta isenção”.
Confira a íntegra da entrevista a William Bonner e Patrícia Poeta:

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Marina Silva Plano B Tucano

Voz poderosa na formulação econômica do PSDB, Luiz Carlos Mendonça de Barros aposta que um eventual governo Marina Silva contaria com quadros tucanos na economia, como André Lara Resende e Eduardo Giannetti da Fonseca; ex-ministro do governo FHC, ele projeta que a virtual candidata do PSB, em substituição a Eduardo Campos, "deverá seguir esta cartilha (trazer inflação para a meta, realinhamento de preços administrados, disciplina fiscal, etc...)"; Mendonção, como é conhecido o ex-ministro do Desenvolvimento, prevê que a ex-ministra do Meio Ambinete teria "dificuldade de diálogo com o establishment político", mas, ao mesmo tempo, acredita que "diversos quadros de melhor qualidade, assim como o próprio PSDB, se aliariam a Marina e ao PSB para lhe dar suporte no Congresso"; tucanos constróem plano B.
247 – Uma das estrelas do comando econômico do PSDB, Luiz Carlos Mendonça de Barros enxerga um eventual governo de Marina Silva, que deve ser oficializada candidata a presidente pelo PSB até a quarta-feira 20, como uma espécie de Plano B tucano, caso o candidato do partido, senador Aécio Neves, não vença as eleições.
Em um texto publicado em sua página no Facebook, o economista, que foi ministro do Desenvolvimento e presidente do BNDES no governo de Fernando Henrique Cardoso, aposta que Marina contaria com quadros tucanos para administrar a economia.

domingo, 17 de agosto de 2014

Pasadena dá lucro de 130 milhões

A refinaria de Pasadena continua apresentando resultados positivos. Relatório divulgado aos investidores pela Petrobras com o resultado do primeiro semestre do ano destacam o aumento da produção de óleo e gás em 4%, saindo de 209 mil barris de petróleo equivalente por dia (boed) do 1° trimestre para 217 mil boed no 2° trimestre do ano. Segundo o documento (link is external), o aumento está relacionado à maior produção da refinaria de Pasadena "devido à maximização da carga fresca e à excelente disponibilidade operacional". O lucro da unidade foi de cerca de US$ 130 milhões, motivado, principalmente, pelo benefício do uso do petróleo não convencional produzido nos Estados Unidos
O resultado de agora reforça os dados do 1° trimestre. O tema foi tratado em audiência pública no Senado pela presidenta da empresa, Maria das Graças Foster: "Temos uma refinaria que opera com segurança hoje. Temos uma refinaria que no mês de janeiro, no mês de fevereiro deste ano e de março deste ano deu resultado positivo", disse à época. Naquela ocasião, matéria divulgada pela Reuters destacou que a refinaria no Texas registrou lucro no 1° trimestre e que, desde 2012, "recuperou margens de lucro no refino, mesmo sem recuperar os excelentes patamares da época do acordo inicial, em 2006".
Fonte: MUDA MAIS.

Mídia ataca Dilma

Mídia ataca Dilma e poupa demais candidatos, afirma pesquisa da UERJ
Manchetômetro analisa o viés editorial dos principais jornais do País nas eleições de 2014. Pesquisa aponta campanha partidarizada contra a presidenta e contra a economia brasileira.
Pesquisa feita por estudiosos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) aponta a partidarização dos jornais Folha de S. Paulo, Estado de S. Paulo e O Globo, e do televisivo Jornal Nacional, da TV Globo.
O levantamento, intitulado “Manchetômetro”, mostra que esses principais representantes da mídia tradicional brasileira prejudicam a imagem da presidenta Dilma Rousseff ao priorizar a divulgação de notícias negativas em detrimento das positivas, o que não se repete em relação aos demais candidatos à Presidência da República. Os dados apontam a mesma prática em relação ao Partido dos Trabalhadores e ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
A análise, feita por membros do Laboratório de Estudos de Mídia e Esfera Pública da UERJ, tem como foco as capas dos jornais desde o início de 2014. Os pesquisadores avaliam se a manchete ou chamada é positiva, negativa, neutra ou ambivalente para a imagem do candidato, partido, pessoa ou governo. Para avaliar o Jornal Nacional, os estudiosos medem o tempo da notícia e a valência.
Para o coordenador do projeto, João Feres, a ideia é fazer com que a pesquisa também seja ferramenta de cidadania e até mesmo de contraponto às informações divulgadas pela imprensa diariamente.
“Não há notícias mostrando o outro lado, então não é possível ter uma ideia mais concreta sobre as informações. A contribuição maior é para o esclarecimento da opinião pública”, afirmou.
“A gente fica à mercê da grande imprensa brasileira”, explicou.

Os amigos do “Blue”

Por Darío Gomel - Jornalista Buenos Aires/Argentina - dariogomel@gmail.com
Na semana passada num programa de TV do grupo Clarim (canal 13), atravessaram todas as barreiras do senso comum (ainda que o senso comum seja, para alguns, o senso das maiorias, mas esse é outro debate). O dólar “blue”, novo fetiche dos “gurués” econômicos, conquistou um lugar que tivesse sido impossível se não posse pelo debate mídia-governo
Que é o “dólar blue”? É o dólar informal, o que não está registrado no mercado de capitais.  Devido às políticas de proteção da moeda nacional (Peso) o governo argentino adotou um plano protecionista para se alguém desejar adquirir a nota dos Estados Unidos deverá atravessar certos prazos legais. Então, como agora os “Franklins” são mais difíceis de conseguir, este dólar “blue” é mais caro do que dólar oficial. Si algum cidadão argentino o turista quisesse consegui-lo, pode fazê-lo nas chamadas “covas”; lugares não registrados onde também dizem que se conseguem reais
Por que esse fanatismo pelos dólares? O que o brasileiro tem que saber é que, até hoje, os argentinos utilizamos para fazer algumas trocas, dólares. O caso mais extremo e a compra-venda imobiliária. Ou seja, uma casa no típico bairro de Flores na cidade de Buenos Aires, ou em frente da Casa Rosada, custa em dólares. Este pensamento de poupar em alguma moeda internacional não e novo. Acontecia antes da chamada hiperinflação na volta á democracia, na crise, institucional de 2001, etc., Sobretudo, na década neoliberal, quando um peso era o mesmo que um dólar (O que significou a morte da indústria nacional).

sábado, 16 de agosto de 2014

É fácil entender porque conservadores preferem Marina

Por Paulo Moreira Leite - blog:
A falta de cerimonia exibida por tantos colunistas conservadores para emplacar Marina Silva de qualquer maneira como candidata presidencial do PSB, menos de 24 horas depois da morte de Eduardo Campos, é um sintoma de vários elementos da campanha de 2014.
O maior é o receio de que Aécio Neves já tenha chegado a seu limite eleitoral – muito longe daquilo que seria necessário para dar a seus aliados esperanças reais de vencer o pleito – e é preciso encontrar um atalho para tentar derrotar Dilma. Desse ponto de vista, a oportunidade-Marina veio a calhar.
Ao contrário de Aécio Neves, herdeiro identificado com o mais tradicional conservadorismo brasileiro, onde até a denúncia de caráter moral se compromete com a descoberta da pista de aeroporto de R$ 14 milhões na fazenda do tio-avô, Marina consegue apresentar-se como candidata do “novo.”
Uma década de esforço permanente para criminalizar a política a pretexto de combater a corrução não poderia deixar de produzir resultados. O mais visível deles, na campanha de 2013, é Marina.
Foi adotada por eleitores , especialmente jovens, sem partido político, para quem todo político é ladrão e só pensa em se arrumar. Basta reparar quais foram partidos que Marina frequentou e quais aliados cultivou ao longo de sua já longa existência política para ponderar o que há de verdade e de mentira nessa visão – mas este é assunto para um longo debate politico, destinado a proteger e recuperar nossos valores democráticos.

Mônica Bergamo: PSB pode lançar Luiza Erundina

A colunista Mônica Bergamo, uma das jornalistas mais bem informadas do País, publicou, nesta tarde, uma nota que representa uma guinada nas especulações eleitorais; segundo ela, o PSB estuda lançar a candidatura de Luiza Erundina, ex-prefeita de São Paulo e filiada ao partido, como candidata à presidência da República; Marina Silva permaneceria como vice; sinal de que não há consenso em torno do nome da ex-senadora, que enfrenta resistência do atual presidente da legenda, Roberto Amaral.
247 - A colunista Mônica Bergamo, uma das jornalistas mais bem-informadas do País, publicou, nesta tarde, uma informação que pode alterar os rumos da sucessão presidencial.
Segundo ela, uma ala do PSB estaria inclinada a lançar Luiza Erundina, ex-prefeita de São Paulo, ao Palácio do Planalto.
É uma indicação clara de que não há consenso no PSB em torno do nome de Marina Silva, que enfrenta resistência do próprio presidente da legenda e sucessor de Eduardo Campos no cargo, Roberto Amaral.
Nacionalista e defensor de teses contrárias às de Marina, como a energia nuclear, Amaral é aliado do ex-presidente Lula e, no passado, foi contrário à candidatura do próprio Eduardo Campos. Ele defendia o apoio à reeleição de Dilma.
Amaral também foi contrário à aliança entre o PSB e a Rede, de Marina Silva.

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

RIO: As propostas de Lindberg para a educação

Revolucionar os métodos de ensino e engajar os jovens. Essas são as metas do governo Lindberg Farias, que já deixou claro ser a educação a área primordial de sua administração, caso eleito. Para o candidato, recuperar o projeto dos CIEPs é o primeiro passo para se construir uma nova escola, adequada ao mundo da livre circulação das informações, novas tecnologias e Internet.
Todo esse processo envolve reestruturar o projeto pedagógico, o currículo e os métodos da escola. Ações que Lindberg Farias já colocou em prática quando foi prefeito de Nova Iguaçu e implantou na cidade o “Bairro Escola”. Com ele, comunidade, pais, professores e alunos, fizeram do espaço da escola um local para o desenvolvimento de atividades de lazer e cultura.
Investir na democratização da gestão escolar, ampliar os mecanismos de transparência em relação ao gasto escolar e a instituição das eleições diretas para diretor de escola fazem parte do programa de governo de Lindberg para a educação. Lindberg quer fazer no estado do Rio de Janeiro o que Lula e Dilma fizeram no Brasil. Por isso, usará recursos do governo federal (PRONATEC, Programa Ensino Médio Inovador, etc.) para melhorar os índices de desempenho da educação fluminense.
“Quero fazer os novos CIEPs, mais tecnológicos que aqueles dos anos 1980. Temos que ter uma nova escola, vibrante, que engaje a juventude. Temos que fazer uma política dirigida a esses jovens. Jogar tudo na educação e na qualificação profissional para o primeiro emprego”, diz Lindberg.

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

No ano, Dilma 'apanhou' 16 vezes mais que Aécio no Jornal Nacional

Segundo observatório da UERJ, cobertura da mídia tradicional é mais 'dura' com partido da presidenta do que com PSDB. Nos jornais, governo Alckmin tem 43 chamadas negativas e governo federal, 417
por Por Cida de Oliveira, da Rede Brasil Atual
São Paulo – O tempo que o Jornal Nacional dedicou a criticar a presidenta Dilma Rousseff é 16 vezes maior que o dedicado ao candidato tucano Aécio Neves. O cálculo é da equipe do Manchetômetro, observatório de manchetes dos meios de comunicação do Instituto de Estudos Sociais e Políticos (Iesp) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. A base de dados cobre todo o ano de 2014, no qual é contado o tempo das notícias nas categorias favorável, contrário e neutro para candidatos, partidos, esfera de governo, enquadramento da política e da economia.
Até a edição de sábado (9), o jornal dedicou 82 minutos e 26 segundos com notícias contrárias à presidenta. Já a Aécio, apenas 5 minutos e 35 segundos. Em compensação, foram 7 minutos e 42 segundos de notícias favoráveis ao tucano e 3 minutos e 35 segundos a Dilma. No mesmo período, o candidato Eduardo Campos (PSB) apareceu por 34 minutos e 47 segundos em noticiário neutro.
O partido da presidenta (PT) também é o que mais apanha no mesmo período: 204 minutos e 31 segundos. O PSDB esteve em meio a notícias desfavoráveis por 78 minutos e 51 segundos.
A cobertura de instituições políticas, agências, empresas e políticas públicas, além de personalidades políticas brasileiras, é predominantemente negativo. O acompanhamento mostra que o noticioso gastou nove horas, 12 minutos e 36 segundos com coberturas contrárias ao governo federal, além de 929 minutos e 1 segundo com reportagens negativas na área de política e 182 minutos e 19 segundos no setor de economia.
Para o coordenador do Manchetômetro, João Feres Júnior, a contagem mostra que Dilma e seu partido ganham disparadamente mais tempo de notícias negativas do que seu principal concorrente. "Além disso, o tempo maior de notícias desfavoráveis em economia e política tem o objetivo de criar um clima de crise. Notícias boas, como a inflação zero no mês de julho, não foi noticiada", diz.
De acordo com Feres Júnior, ao enquadrar a economia e a política negativamente, o veículo tenta influenciar a opinião pública. "Diante de um quadro tão negativo, as pessoas sem senso crítico são levadas a acreditar na necessidade de uma mudança urgente, no caso, trocar o que não está dando certo."
A maior exposição da petista em noticiário desfavorável não tem relação direta com o fato de ocupar o cargo mais importante do país e por isso estar sob os holofotes da mídia por mais tempo.
Para o coordenador, esse "viés brutal" não se aplica ao candidato à reeleição ao governo de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB). "O acompanhamento dos principais jornais no estado, por período equivalente, mostra 417 manchetes de capa desfavoráveis a Dilma e apenas 43 contrárias ao governo estadual paulista. É uma proporção de 10 pra 1".

sábado, 9 de agosto de 2014

Rafael Bastos para Luizianne Lins:

Rafael Bastos para Luizianne Lins:
Gostei porque você manteve a coerência de seus posicionamentos. A pressão do seu partido, sucumbido por uma oligarquia familiar, não fará com que você mude seu pensamento, pois sei de sua garra, perseverança e inteligência. Você sabe que seu fiel eleitor sabe todos os ataques que você sofreu e sofre, o que torna impossível o seu apoio a qualquer candidatura que não representa o verdadeiro PT. Que Deus a proteja e abençoe sempre. Seus eleitores e amigos sabem de sua coerência e, também, inteligência. FORTALEZA E O CEARÁ SÃO 1313! AVANTE, GUERREIRA!
Link do perfil no Face: https://www.facebook.com/rafael.bastos.771

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Eunício: "PT Ceará amarelou"

O governador Cid Ferreira Gomes impôs seu candidato para disputar o Governo do Ceará nessas eleições, contrariando de todas as formas o PT Ceará, onde a participação da militância filiada tem peso e participação importante.
Jornal O Povo:
Peemedebista reagiu à cobrança de petistas sobre apoio a Dilma e disse que apoia reeleição da presidente, mesmo sem apoio do PT
Eunício Oliveira (PMDB) reagiu ontem à crítica de vereadores do PT de que o apoio dele à reeleição da presidente Dilma Rousseff estaria discreto demais. Segundo Eunício, “todo mundo no Ceará” sabe que ele vota em Dilma. É o PT, reclamou o peemedebista, que não o retribuiu e decidiu não apoiá-lo.
Além disso, Eunício apontou que o partido “renegou sua própria cor e amarelou” no Ceará por Camilo Santana, cujos materiais de propaganda são estampados em amarelo-laranja, e não no tradicional vermelho petista.
“Não nego esse apoio a ninguém. Se você for ao meu comitê, vai encontrar fotografias da Dilma. Nas minhas falas você vai sempre encontrar a resposta que sou apoiador da Dilma. Agora, o Partido dos Trabalhadores não me apoia no Ceará. Isso é o que não está sendo dito”, afirmou.
Na sexta-feira, vereadores petistas de Fortaleza se queixaram ao O POVO de que a “posição pouco afirmativa” de Eunício em relação a Dilma privilegia Aécio Neves (PSDB), apoiado por Tasso Jereissati (PSDB), candidato ao Senado na chapa do peemedebista. Eunício lembrou que alguns partidos na coligação de Camilo, como o PTB e o Solidariedade, apoiam Aécio. “Na outra coligação, em que o PT está - que inclusive renegou a própria cor, e amarelou a cor do partido no Ceará, isso que precisa ser discutido - tem vários partidos que não votam na Dilma”, disse. “Não escondo meu apoio a Dilma, mas tem gente escondendo o apoio do Partido dos Trabalhadores”.
O senador repetiu que o ex-presidente Lula se comprometeu a vir ao Ceará por ele. “Sou amigo do presidente Lula e voto na presidente Dilma. O presidente Lula tem um compromisso comigo. Ele disse para sete senadores do PMDB que viria ao Ceará para fazer campanha para Eunício Oliveira”. (Bruno Pontes)

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Haddad aposta em Plano Diretor para acabar com descontinuidade de projetos em SP

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, disse nesta quinta-feira (31), em entrevista exclusiva à JOVEM PAN, que a "alternância de poder" comprometeu o planejamento do desenvolvimento da cidade. Para Haddad, as mudanças que ocorreram a cada gestão e descontinuaram projetos importantes terão fim a partir da sanção do Plano Diretor Estratégico.
“Isso vai fazer com que nós preservemos os bairros, sobretudo, o que aconteceu na zona sul de São Paulo, espigões em ruas muito estreitas. Isso não se faz em nenhum lugar no mundo, não se ergue um prédio de 30 andares em ruas com 8 metros de largura, como você cansa de ver no Itaim Bibi, na Vila Olímpia, Moema, Pinheiros”, explicou no Jornal da Manhã.
Questionado se faltou planejamento ou se houve mais corrupção nas gestões anteriores, o prefeito lembrou a criação da Controladoria Geral do Município para, segundo ele, “escancarar as portas da prefeitura”.
“Eu faço um convite ao cidadão. Se você tem informação sobre desvio de conduta, de qualquer um que seja você, tem um controlador geral que tem autonomia para investigar quem quer que seja sem me pedir autorização”, declarou Haddad, que ainda ressaltou que a luta contra a corrupção é eterna, mas que é preciso ter os instrumentos para combatê-la.
O prefeito foi perguntado também sobre os polêmicos corredores de ônibus. De acordo com ele, esse tipo de estrutura para o transporte público é necessário para “toda metrópole” e já há benefício para os usuários que vivem em regiões mais afastadas do centro.

Dilma diz que tucanos deixaram 'o país de joelhos' três vezes diante o FMI

Em seu primeiro comício como candidata, presidente discursou em meio a palavras de ordem de militantes da CUT na Grande SP.
Por Germano Oliveira O Globo:
SÃO PAULO — Em seu primeiro comício como candidata à reeleição, a presidente Dilma Rousseff disse para uma plateia de mil militantes da Central Única dos Trabalhadores (CUT), em Guarulhos, na Grande São Paulo, que não vai ser reeleita para deixar "o país de joelhos perante quem quer que seja". Segundo ela, o PSDB deixou o Brasil "de joelhos três vezes: em 1999, em 2001 e em 2002" diante do Fundo Monetário Internacional (FMI). Para a presidente, que discursou ao som de jingles de campanha e palavras de ordem dos militantes da CUT, a campanha deste ano vai confrontar a verdade ao pessimismo que a oposição quer implantar no país do "quanto pior melhor".
Ela acrescentou que sua campanha será "feita sem xingar ninguém", "vai ser a do quanto melhor, melhor, com mais futuro e segurança para os trabalhadores". Dilma disse que não vai ser reeleita para tirar direitos dos trabalhadores, ao contrário de seus adversários, que segundo ela "ameaçam os direitos conquistados".

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Dilma vai reforçar as políticas sociais

Um dos grandes marcos dos governos do Partido dos Trabalhadores (PT) e de seus aliados foi a implantação de uma rede de políticas de proteção e inclusão social. Estas medidas tornaram o Brasil um País verdadeiramente de 200 milhões de cidadãos, resgatando, desde 2003, 36 milhões de brasileiros da extrema pobreza. Somente entre 2011 e 2013, com o Plano Brasil Sem Miséria, foram mais de 22 milhões de pessoas. O objetivo, para a próxima gestão é garantir a superação da extrema pobreza no Brasil, sob o critério de renda.
“Nós, de fato, reduzimos a desigualdade. Não reduzimos tirando de ninguém, reduzimos aumentando o crescimento da renda dos mais pobres”, comentou a presidenta Dilma Rousseff, em maio deste ano, durante a entrega do Prêmio ODM Brasil.
Outra grande marca dos últimos 12 anos foi uma mudança extraordinária no perfil da sociedade brasileira, com a ascensão de 42 milhões de brasileiros à classe média. Isso resultou em uma mudança na base da pirâmide social, conhecida antes de 2003, que concentrava 54,9% da população (classes D e E) e a classe média (C) representava apenas 37%. Hoje, a maioria dos brasileiros está situada no meio da pirâmide, com 55% da população na classe média. As classes D e E agora representam apenas 25% do total.

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Dilma: "esta será a campanha da verdade contra o pessismismo"

Autor: Equipe Dilma Rousseff: A afirmação da presidenta foi feita em discurso durante jantar com apoiadores da coligação “Com a Força do Povo”, na noite desta quinta-feira, 24 de julho. O encontro foi realizado numa churrascaria da cidade de São João de Meriti, na Baixada Fluminense. Estiveram presentes dezenas de prefeitos, além de ex-prefeitos, deputados estaduais e federais, vereadores e apoiadores políticos, totalizando cerca de 300 pessoas.
Dilma Rousseff abordou, ainda, o clima de pessimismo que alguns tentam instalar no país. Segundo ela, faz-se com a economia o mesmo que foi feito com a Copa do Mundo e o mesmo que foi feito com a Petrobras. A presidenta lembra o que se dizia: que a Copa seria o caos, que não tínhamos competência nem capacidade para organizar uma Copa, que o Brasil seria um inferno de manifestações absolutamente violentas, que teria apagão de energia, crise de dengue e que não sairia mesmo. “Conseguimos provar com fatos que o Brasil tem capacidade para realizar uma Copa porque trabalhamos em conjunto: prefeituras, governos estaduais e governo federal conseguiram realizar uma Copa que é orgulho para todos nós”, celebra.
Para o vice-presidente Michel Temer (PMDB), as pessoas presentes ao encontro revelam o reconhecimento do povo à gestão da presidenta Dilma. “Escrevi há pouco tempo um artigo sustentando que o Brasil não ganhou, no futebol, a Copa do Mundo. Mas pela organização, ganhou o mundo. Isso é fruto da eficiência da Presidenta Dilma que conduziu a organização deste episódio que enobrece nosso país”, elogiou Temer.

quinta-feira, 24 de julho de 2014

Criador de "Dilma Bolada" retira página do ar

A Dilma Bolada, perfil fictício que faz sátiras com a imagem da presidente Dilma Rousseff (PT) na internet, não pode mais ser acessada no Facebook. Na tarde desta quarta-feira, 23, a página foi retirada do ar pelo seu criador, o publicitário Jeferson Monteiro. Até o presente momento, não foram externados os motivos da ação.
“Pra todos que estão perguntando: tirei a Dilma Bolada do ar, ok? Sem drama e sem mimimi”, publicou Jeferson em seu perfil pessoal na rede. Em entrevista ao jornal Estado de S. Paulo em fevereiro deste ano, o publicitário já havia considerado remover a página do ar durante o período eleitoral. Em outra publicação, Jeferson disse que irá explicar a remoção em breve.
Diante de questionamentos de fãs da página, Jeferson comentou: “Dilma será reeleita com ou sem a minha ajuda. A diferença é que com a Bolada é mais justo e ela apanha menos. Aécio é completo imbecil, assim como todo mundo que tá aceitando proposta para bater na Dilma na Internet”, disse.
O perfil Dilma Bolada apareceu primeiro no Twitter, em 2010. Em 2012 e 2013, o perfil fictício ganhou grande visibilidade no Facebook, com o próprio Jeferson sendo recebido no Palácio do Planalto pela presidente.
Redação O POVO Online