segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Cientistas desmentem o aquecimento


Richard Jakubaszko

Publicado no Wall Street Journal: The Wall Street Journal
Foi uma alegria enorme encontrar e ler esse post traduzido por Maurício Porto, no blog Terrorismo Climático, reproduzido abaixo, e originalmente publicado em 27/01/2012 no Wall Street Journal, pois em alguns momentos me parece que estou berrando sozinho no deserto. Isto faz com que me considere, de certa forma, excluído, ou ainda, perceba certo olhar de soslaio e soberana empáfia por parte de meus pares no mercado.
Publiquei em janeiro, aqui no blog, e na revista DBO Agrotecnologia de nov/dez 2011, o "SOS aos cientistas pesquisadores" - Acesse: richardjakubaszko -, mas foram poucos os cientistas que me contataram, por telefone ou e-mail, reconhecendo que a ciência tem de dar respostas incisivas à essa questão do aquecimento, ou melhor, das mudanças climáticas. Corremos o grave risco de se estabelecer o pensamento único na sociedade, devido à pressão da mídia acrítica e das empresas verdes, afora os interessados nas questões econômicas dessa autêntica paranóia. Felizmente, lá fora, alguns cientistas criaram coragem e estão botando a bronca no trombone. Aleluia!

CARTA ABERTA DE 16 PROEMINENTES CIENTISTAS: NÃO HÁ NECESSIDADE DE PÂNICO SOBRE O AQUECIMENTO GLOBAL
(Tradução Maurício Porto)
"Não há nenhum argumento convincentemente científico para medidas drásticas para "descarbonizar" a economia mundial."
A Carta Aberta foi assinada pelos 16 cientistas listados ao final:
Um candidato a cargo público em qualquer democracia contemporânea pode ter que considerar, o que fazer sobre o "aquecimento global". Os candidatos devem entender que a alegação tantas vezes repetida que quase todos os cientistas exigem que algo dramático seja feito para parar o aquecimento global não é verdade. Na verdade, um grande e crescente número de importantes cientistas e engenheiros não concordam que ações drásticas contra o aquecimento global são necessárias.
Em setembro, o ganhador do Prêmio Nobel, o físico Ivar Giaever, um apoiador do presidente Obama na última eleição, publicamente demitiu-se da American Physical Society (APS) com uma carta que começa assim: "Eu não vou renovar minha filiação porque eu não posso conviver com a declaração política da APS: "A evidência é incontestável: O aquecimento global está ocorrendo. Se não forem feitas ações de mitigação, perturbações significativas nos sistemas físicos e ecológicos da Terra, sistemas sociais, de segurança e saúde humana são susceptíveis de ocorrer. Devemos. reduzir as emissões de gases de efeito estufa a partir de agora. " Na APS é permitido discutir se acontecem alterações na massa de um próton ao longo do tempo ou como um multi-universo comporta-se, mas a evidência do aquecimento global é indiscutível?"
Apesar de uma campanha internacional de muitas décadas para impor a mensagem de que quantidades crescentes de dióxido de carbono "poluente" irá destruir a civilização, um grande número de cientistas, vários muito proeminentes, compartilham as opiniões do Dr. Giaever. E o número de cientistas "hereges" está crescendo a cada ano que passa. A razão é uma coleção de repetidos fatos científicos.
Talvez o fato mais inconveniente é a falta de aquecimento global por mais de 10 anos. Isto é conhecido pelo establishment do aquecimento, como se pode ver a partir do e-mail do "Climategate" de 2009 do cientista do clima Kevin Trenberth: "O fato é que não podemos explicar a falta de aquecimento no momento, e isso é uma farsa que nós não podemos manter".
O aquecimento só sumiria se alguém acreditasse que ele existia. Ele só aparecia nos modelos de computador e não no mundo real. Nos modelos os chamados feedbacks envolvendo vapor de água e nuvens amplificam o efeito pequeno do CO2, resultando num falso aquecimento global.
A falta de aquecimento por mais de uma década - certamente menor do que o aquecimento previsto ao longo dos 22 anos desde que o Painel Intergovernamental da ONU sobre Mudanças Climáticas (IPCC) começou a emitir projeções, sugere que os modelos de computador têm exagerado muito quanto ao aquecimento adicional que o CO2 pode causar. Diante deste embaraço, aqueles que promovem previsões alarmistas mudaram seu alvo, do "aquecimento" para "condições climáticas extremas", com a intenção de permitir que qualquer coisa incomum que aconteça no nosso clima caótico possa ser atribuída ao CO2.
O fato é que o CO2 não é um poluente. CO2 é um gás incolor e inodoro, expirado em altas concentrações por cada cada um de nós, e um componente chave do ciclo de vida da biosfera. As plantas melhoram tanto com mais CO2 que os operadores de estufas, muitas vezes aumentam as concentrações de CO2 por fatores de três ou quatro para obter um melhor crescimento. Isso não é surpresa já que as plantas e os animais evoluíram quando as concentrações de CO2 foram cerca de 10 vezes maiores do que são hoje. Melhores variedades de plantas, fertilizantes químicos e manejo agrícola contribuíram para o grande aumento na produção agrícola do século passado, mas parte do aumento quase que certamente veio de CO2 adicional na atmosfera.
Embora o número de cientistas publicamente dissidentes esteja crescendo, muitos jovens cientistas furtivamente dizem que, enquanto eles também têm sérias dúvidas sobre a mensagem do aquecimento global, eles têm medo de falar por medo de não ser promovido, ou pior. Eles têm um bom motivo para se preocupar. Em 2003, Dr. Chris de Freitas, o editor do jornal Climate Research, se atreveu a publicar um artigo revisto por pares com a conclusão politicamente incorreta (mas factualmente correta) que o aquecimento recente não é incomum no contexto das mudanças climáticas nos últimos mil anos. O establishment internacional do aquecimento rapidamente montou uma campanha determinada a remover o Dr. de Freitas de seu trabalho editorial e demiti-lo de seu cargo universitário. Felizmente, o Dr. de Freitas foi capaz de manter seu emprego na universidade.
Este não é o modo como a ciência deve funcionar, mas já foi visto isso antes. Por exemplo, no período assustador quando Trofim Lysenko passou a controlar a biologia na União Soviética. Os biólogos soviéticos entusiasmados com as pesquisas genéticas, que para Lysenko não passava de uma ficção burguesa, foram demitidos de seus empregos. Muitos foram enviados para os gulags e alguns foram condenados à morte.
Por que existe tanta paixão sobre o aquecimento global, e por que a questão tornou-se tão difícil que a American Physical Society, da qual Dr. Giaever renunciou há alguns meses, recusou o pedido aparentemente razoável por muitos de seus membros para remover a palavra "indiscutível" de sua descrição de uma questão científica? Há várias razões, mas um bom lugar para começar é a velho pergunta "cui bono?" Ou a atualização moderna, "Siga o dinheiro".
O alarmismo sobre clima é de grande benefício para muitos, a concessão de financiamento do governo para a pesquisa acadêmica é uma razão para as burocracias do governo crescerem. O alarmismo também oferece uma desculpa para os governos aumentarem os impostos pagos pelos contribuintes, subsídios para as empresas que entendem como funciona o sistema político e um chamariz para grandes doações a fundações de caridade promissoras para salvar o planeta. Lysenko e sua equipe viviam muito bem, e eles defenderam ferozmente o seu dogma e os privilégios que ele trouxe.
Falando por muitos cientistas e engenheiros que têm olhado com cuidado e de forma independente a ciência do clima, temos uma mensagem para qualquer candidato a cargo público: Não há nenhum argumento convincente cientificamente para medidas drásticas para "descarbonizar" a economia mundial. Mesmo que se aceite as previsões climáticas exageradas do IPCC, as agressivas políticas de controle de gases de efeito estufa não se justificam economicamente.
Um estudo recente de uma grande variedade de opções políticas feitas pelo economista de Yale, William Nordhaus, mostrou que na verdade a maior relação custo-benefício seria conseguida por uma política que permitisse mais de 50 anos de crescimento econômico sem impedimentos por controles de gases de efeito estufa. Isto seria especialmente benéfico para as partes menos desenvolvidas do mundo que gostariam de compartilhar de algumas das mesmas vantagens de bem-estar material, saúde e expectativa de vida que as partes plenamente desenvolvidas do mundo desfrutam agora. Muitas outras respostas de políticas teriam uma rentabilidade de investimento negativa. E é provável que mais CO2 e o aquecimento modesto que pode vir com ele será um benefício global para o planeta.
Se os eleitos oficialmente se sentem compelidos a "fazer algo" sobre o clima, recomendamos apoiar os cientistas excelentes que estão aumentando nossa compreensão do clima com os bem concebidos instrumentos nos satélites, nos oceanos e em terra, e na análise de dados observacionais. Quanto melhor entendermos o clima, melhor poderemos lidar com a sua natureza em constante mudança, o que tem complicado a vida humana ao longo da história. No entanto, grande parte do enorme investimento privado e do governo no clima está mal direcionado e tem necessidade urgente de uma revisão crítica.
Todos os candidatos devem apoiar medidas racionais para proteger e melhorar o nosso meio ambiente, mas não faz nenhum sentido voltar para programas caros que desviam recursos das necessidades reais e são baseados em reivindicações alarmistas, e carentes de provas "irrefutáveis".
Claude Allegre, ex-diretor do Instituto para o Estudo da Terra, Universidade de Paris;
J. Scott Armstrong, co-fundador do Journal of Forecasting e International Journal of Forecasting;
Jan Breslow, chefe do Laboratório de Genética Bioquímica e Metabolismo, Rockefeller University;
Roger Cohen, membro da American Physical Society;
Edward David, membro da Academia Nacional de Engenharia e da Academia Nacional de Ciências;
William Happer, professor de física, Princeton;
Michael Kelly, professor de tecnologia da Universidade de Cambridge, UK; William Kininmonth, ex diretor de pesquisas climáticas do Bureau Australiano de Meteorologia;
Richard Lindzen, professor de ciências atmosféricas do MIT;
James McGrath, professor de química, Virginia Technical University;
Rodney Nichols, ex-presidente e CEO da New York Academy of Sciences;
Burt Rutan, engenheiro aeroespacial, designer da Voyager e SpaceShipOne;
Harrison H. Schmitt, astronauta da Apollo 17 e ex-senador dos EUA;
Nir Shaviv, professor de astrofísica, da Universidade Hebraica, em Jerusalém;
Henk Tennekes, ex-diretor, Royal Dutch Meteorological Service;
Antonio Zichichi , presidente da Federação Mundial de Cientistas, em Genebra.
Fonte: The Wall Street Journal

4 comentários:

O PROFETA GENTILEZA disse...

Quando eu estou com fome - eu não consulto nenhuma agenda - pois o meu corpo fala e eu percebo. Porque consultar gurus, cientistas, padres ou pastores se eu mesmo sei sentir o calor, o frio e toda a miséria de nossas vidas ? - Crianças sem ter o que comer - enquanto jantam em uma noite um bairro fúnebre de mendigos ? - Os especialistas são os novos barões do feudalismo e as corvéias são destinadas aos pelegos dos sindicatos. A imprensa lança palavras ao vento. A URSS perdeu 20 milhões na segunda guerra - e hoje um jornalista da Folha dizendo que os comunistas mataram mais do que os Nazistas. Hitler rompeu o pacto de não agressão porque precisava do petróleo da URSS. Estão brincando de jornalismo, ciência e outras esquisitices. O aquecimento, a mudança climática e a formação de mais chuvas são fatos observados por qualquer anônimo - sem nenhum culto às pretensas personalidades. CHIIIII FALEI BOBAGEM !!!!

Mega Press disse...

Há dois fatores básicos, e que não depende da ação do homem, para o aumento da temperatura no planeta (aquecimento). A maior intensidade da radiação solar e a ação regulamentadora dos oceanos sobre a própria temperatura, que por ocupar maior espaço no planeta, recebe, também, maior radiação solar, afetando o micro e, raramente, o macroclima dos continentes.

Resumindo: a ação do homem é insignificante sobre o aquecimento global, o máximo que o homem pode afetar é o seu microclima.

A razão pela qual os ambientalistas estão preocupados com a preservação da natureza talvez seja pelo paisagismo e as belezas cênicas que a natureza intacta pode proporcionar.

Luciano Mende
Analista Ambiental

Yacov disse...

Obviamente o derretimento das calotas polares se dá dentro de um ciclo natural e todo o CO2 produzido desde a revolução industrial e com a economia baseada nos combustíveis fósseis nada tem a ver com isso. È apenas uma coincidência que todos, ou a maioria, dos que assinam o artigo, sejam professores de grandes Universidades Americanas, o país central do capitalismo baseado em combustíveis fósseis e produção industrial poluente. Aquecimento Global existe sim e temos que combatê-lo com políticas RRR, consumo resposnável e uso de energias alternativas. O resto é balela de capitalistas e seus cientistas assalariados, que ainda querem faturar muito com o atual modo produtivo antes de mudar para formas não poluentes. "Dane-se o planeta, nos meus lucros ninguém trascas".

"O BRASIL PARA TODOS não passa na glOBo - O que passa na glOBo é um braZil para TOLOS"

Mega Press disse...

Poluição e degradação ambiental (do meio ambiente) não tem nada a ver com aquecimento global. Esse não depende da ação do homem, ja a Poluição e degradação ambiental são consequentes da ação antrópica do homem. (Ppoluição sonora, visual, dos rios, do solo, etc.).