segunda-feira, 13 de agosto de 2012

O linchamento do PT

por Lincoln Secco, especial para o Viomundo------
Aquele foi o “mais atrevido” caso de corrupção da história brasileira.
Deputados recebiam recursos não contabilizados para apoiar o governo no congresso. As ramificações do duto de dinheiro ilegal atingiam figuras imponentes da Câmara dos Deputados, Governadores, ministros e até o homem forte do presidente da República que havia lutado contra a Ditadura Militar.
Isto não aconteceu no Governo Lula. Tratou-se da acusação de compra de votos para emenda da reeleição de Fernando Henrique Cardoso supostamente liderada por Sergio Motta.
Talvez por isso numa pesquisa encomendada pelo próprio PSDB 31% dos entrevistados disseram que o governo de Fernando Henrique Cardoso foi o mais corrupto de que têm lembrança, contra 21% que viram mais corrupção sob Lula (Folha de São Paulo, 24 de setembro de 2011). Foi o preço da aliança preferencial com o PFL e o baixo clero do Congresso.
Os mentores daquele escândalo não foram condenados nem na esfera política e menos ainda na jurídica. Nesta porque eram inocentes ou simplesmente porque não havia provas contra eles. Para o mundo político apenas porque gozavam de respaldo da maioria. Pode parecer estranho, mas o julgamento político não precisa de provas e sim de um consenso majoritário entre os pares de que aquela pessoa violou os seus costumes.
Foi assim que o Presidente Collor de Mello sofreu impeachment mesmo depois de ter renunciado para se salvar. Apesar de não ter uma base permanente de apoio no Congresso e sofrer uma campanha popular pela sua derrubada, foi absolvido pelo STF sem que houvesse qualquer ato público contra aquela colenda corte.
Aqueles dois casos diferem essencialmente do chamado escândalo do mensalão por dois motivos.
O primeiro é que FHC tinha controle do Congresso, Lula não; o segundo é que Collor teve contra si uma campanha popular e nem Lula e nem FHC enfrentaram um movimento parecido. Contra FHC alguns petistas propuseram o impeachment, mas o partido não mobilizou a sociedade com este objetivo.
Quando o Governo Lula foi acuado pelas denúncias de seu aliado Roberto Jefferson, instalou-se uma crise que destruiu a imagem ética que o PT cultivava para si mesmo. Seus principais dirigentes caíram e o governo resistiu nas cordas por vários meses. Foi o preço do abandono dos valores de esquerda em nome do pragmatismo.
Os clamores públicos pelo linchamento do PT, hoje em escala menor do que em 2005, deveriam levar à seguinte indagação: o Brasil teria sido melhor nos últimos trinta anos sem Lula e o PT?.
O Governo FHC com lideranças de origem na esquerda não tem sido lembrado por eventuais escândalos, mas pelas opções que assumiu ao governar o país, como as privatizações. Que o PSDB defenda aquele legado é justo. Que a esquerda queira as mudanças estruturais que o PT disse que faria e não fez é um bom convite para superá-lo.
Mas o moralismo é sempre a política do imoral, como demonstrou recentemente um famigerado Senador da República. Não é o PT que deve estar nas barras do tribunal. Deixemos que ele seja julgado sim, mas pela história, livre do tempo fugaz de nossas vidas. E a sentença dependerá exclusivamente do país que Lula e Dilma terão deixado às futuras gerações.
Lincoln Secco é Professor de História Contemporânea da USP e autor de “A História do PT” (Ateliê Editorial).

Nenhum comentário: